Os destaques da feira

06/11/2017 às 11:17 - Atualizado em 06/11/2017 às 11:17

Os níveis de alta tecnologia e de serviço são preponderantes, mas restam alguns lançamentos e modernizações para elevar o conforto dos motoristas

Pedro Bartholomeu

Depois de mais de três anos de maus resultados e a pior crise já vivida pelo segmento de transporte de carga, eis que a Fenatran – Feira Internacional do Transporte, retoma sua força com a participação de praticamente todas as montadoras de veículos comerciais.

A característica desta edição da feira não estará na variedade de lançamentos de todos os tipos de caminhões e comerciais leves, mas no conteúdo tecnológico injetado no trem de força das linhas existentes. Exceções para os novos semi-leves e leves Delivery da Volkswagen e da entrada para valer da PSA Peugeot que apresenta seu VUL – Veículo Urbano Leve e dos Scania e DAF fora de estrada.

A reação da indústria de veículos comerciais de carga é reflexo também de um momento de recuperação da confiança do empresariado, graças as boas novas dos números da economia, inflação em baixa forte e juros contidos. A mudança de ânimos é consequência da necessidade de renovação da frota, pois os primeiros veículos Euro 5 passaram a circular a partir de 2012.

Muitos transportadores adiaram seus programas de renovação nos últimos dois anos e atrasar ainda mais as compras é algo temerário, diante de um aumento muito forte da idade média. As empresas já enxugaram o que puderam em mão de obra e instalações e agora só veem à frente o uso de veículos mais econômicos, produtivos e rentáveis.

Pela mesma razão, as montadoras mostram na Fenatran deste ano seus aparatos de equipamentos e sistemas de gerenciamento e monitoramento de seus caminhões na busca do menor CTO – Custo Total de Operação, em detrimento aos grande lançamentos de outras edições da feira.

Lançamento em caminhões, de fato, apenas um, o que está sendo apresentado pela MAN Latin America, com a nova linha Delivery, que a partir de agora para a disputar também o segmento de 3,5 toneladas com o seu novo Delivery Express, um semileve lançado com a esperança de conquistar 30% de participação nesse nicho.

“Todos os veículos da categoria são derivados de picapes ou têm cabina semiavançada, mas o Express é o primeiro com cabina avançada e manobrabilidade de automóvel”, garante Ricardo Alouche, diretor de Vendas e Marketing da MAN Latin America.

Os novos modelos Delivery chegam com uma cabina totalmente nova e três versões, a Prime, a Trend e a City e devem ganhar uma versão com caixa automatizada em junho de 2018 para a sua versão de 11 toneladas.
Na versão de entrada, a Express, o desenvolvimento consumiu dois anos de intensas pesquisas junto aos clientes para que o veículo proporcione o máximo em conforto ao motorista e em rentabilidade para o empresário. Assim, seus 2,00 metros de largura permitem a acomodação de três pessoas de 1,90 m de altura sem problemas apesar de um console separar os bancos do motorista e ajudantes.

Com um perfil de comprador que deve contar com 70% ou pouco mais de vendas para pequenos comerciantes e prestadores de serviço, o Express mostra uma grande desenvoltura no trânsito e, para Alouche, deve entrar para o rol dos mais importantes lançamentos da montadora, fazendo companhia aos ícones Titan, de 2000, e o Constellation, de 2005.

A nova família Delivery oferece 11 modelos que variam de 3,5 até 13 toneladas, este último na configuração 6×2 habilitando o veículo para todas necessidades do transporte de distribuição até os rodoviários de pequena distância.